Descubra o que a Engenharia Biomédica e os maiores hospitais do Paraná têm em comum

10 out 2017

O mercado de trabalho para o Engenheiro Biomédico é vasto e não para de crescer. Por isso, um dos objetivos do novo curso de Engenharia Biomédica da PUCPR, que estreará em 2018, é possibilitar aos futuros profissionais o desenvolvimento de diversas competências que atendam a pluralidade desse mercado.

Após a graduação, esses profissionais estarão capacitados para construir sistemas e equipamentos eletromédicos, tecnologias assistivas (tanto de mobilidade quanto de comunicação alternativa e ampliada) e também de engenharia clínica para a gestão das tecnologias hospitalares.

Que tal desenvolver as competências de um Engenheiro Biomédico diretamente no hospital?

Para Guilherme Nogueira, coordenador do curso, aproveitar a rede hospitalar do Grupo Marista, do qual também faz parte a PUCPR, é uma grande oportunidade para colocar os estudantes em contato direto com a dinâmica dos hospitais. “É no ambiente do hospital que os futuros engenheiros biomédicos experimentarão as tomadas de decisão e a identificação de desafios que irão servir de inspiração para as novas tecnologias”, conta Guilherme.

Essa interação inédita entre universidade e hospital se dará de diversas formas:

  • Estágio curricular, que ocorrerá preferencialmente em instituições médicoassistenciais (hospitais, postos de saúde e clínicas) e será o momento de maior imersão no ambiente.
  • Disciplinas específicas e visitas técnicas em diferentes ambientes clínico-hospitalares, laboratórios de análises clínicas e centros de diagnósticos por imagem.
  • Palestras em hospitais relacionados à área de reabilitação

A ideia é que inicialmente participem os hospitais do Grupo Marista vinculados à capital e à região metropolitana, mas a ideia não é parar por aí. Outras parcerias já estão sendo formalizadas, especialmente com hospitais da rede pública, como o Hospital de Clínicas, a Santa Casa de Misericórdia e novos postos de saúde.

Experiências que facilitam a colocação profissional no mercado de trabalho

A passagem do estudante por um hospital ou clínica será lembrada pelo egresso como uma referência, tal como acontece com profissionais da área da saúde. O estudante irá se deparar com as tecnologias mais recentes utilizadas nos hospitais. Além disso, a Escola Politécnica teve o cuidado de incentivar o espírito empreendedor dos seus estudantes, de modo que, das experiências vividas no contexto real, surjam ideias inovadoras e, eventualmente, a criação de novas empresas.

“Como a maior inserção de engenheiros biomédicos no Brasil ocorre na área de engenharia clínica, ou seja, nas instituições médicoassistenciais, é essencial que exista essa interface. É importante ressaltar também como a área ainda é extremamente carente desse profissional”, diz Guilherme.

Quer saber mais?

Então acesse a página do novo curso de Engenharia Biomédica e confira o recado do coordenador do curso no vídeo disponibilizado abaixo.